Mês dos (E)Namorados

Entre os dias 03 de fevereiro e 02 de março de 2014 vai decorrer a 16ª exposição “Lenços dos Namorados – Amores por um fio…”, no espaço “A Arte da Terra”, em Lisboa.

Neste evento é possível ver os tradicionais Lenços dos Namorados e, ainda, um conjunto de peças de cerâmica, sapatos, roupa de cama, malas e cadernos inspirados neste tema.

Os visitantes também podem ter acesso ao maior Lenço dos Namorados com mais de cinco metros quadrados, e a um lenço inspirado na criadora Agatha Ruiz de La Prada, 

Esta exposição decorre na Rua Augusto Rosa, nº40, em Lisboa.

 

Vila Verde certifica mais de 4 mil lenços dos namorados

E é no Concelho de Vila Verde que mais lenços se certifica.

Tentei publicar apenas o vídeo da notícia que saiu no passado dia 27 de janeiro, no Jornal da Uma, da TVI, mas só consegui arranjar o link.

Vejam a partir do minuto 20:20.

 

http://www.tvi.iol.pt/programa/jornal-da-uma/30/videos/128740/video/14071132/1

Lenços dos Namorados desfilam na Passerelle

A Câmara de Vila Verde pretende internacionalizar os Lenços dos Namorados. Esta iniciativa surgiu no âmbito do Concurso Internacional de Criadores de Moda 2014, na Escola de Arte e Superior de Desenho Mestre Mateo, em Santiago de Compostela, Espanha.

Este certame desafia os estilistas e desenhadores de moda espanhóis a conceberem peças de vestuário, onde aliem os bordados dos Lenços dos Namorados com as novas tendências da moda.

Para acompanhar este projeto juntaram-se a vereadora, Júlia Fernandes, a diretora da Cooperativa Aliança Artesanal, Paula Isaías e duas bordadeiras que vão demonstrar o trabalho da preservação da tradição e preservação dos Lenços dos Namorados.

Também será dinamizado uma montra de produtos “Namorar Portugal” tais como, a linha de chocolates “Namorar Portugal”, o serviço de chávenas da Vista Alegre, a linha têxtil-lar da Lameirinho, as carteiras da Footnote, os sapatos da RSTIVALI, a linha de produtos Bicho Bravo, o mobiliário e a linha de jóias da casa Flamingo.

Na apresentação deste Concurso Internacional de Criadores de Moda vão participar Santiago Riande, diretor da EASD Mestre Mateo, Elisa González, diretora do departamento de Desenho e Moda. O evento culmina com o desfile de moda que ocorre anualmente na noite de S. Valentim, a 14 de fevereiro, em Vila Verde.

Adere-Minho conclui mais um curso EFA Bordador

costura_clippart

Em parceria com o IEFP – Centro de Formação de Mazagão, a Adere Minho encerrou mais uma acção de formação de 700 horas com um grupo de 17 formandos. Esta formação tinha como objetivo formar na arte dos bordados dos Lenços dos Namorados.

Os módulos desta formação incidiam nos Lenços dos Namorados e na sua certificação contudo, houve uma novidade neste curso, os formandos também aprenderam o Bordado de Guimarães e as técnicas do Bordado de Viana do Castelo.

A parte teórica consistia em ensinar a história dos bordados e, ainda, fez-se uma visita ao Museu do Traje em Viana do Castelo onde puderam perceber como formar uma micro empresa.
A Adere-Minho pretende, com estas formações, “criar condições e ferramentas a estes/as desempregadas para terem uma alternativa à sua condição” revela o jornal Correio do Minho.

Segundo o jornal, a formação teve uma duração de seis meses e contou com a participação de 17 desempregados/as que pretendiam aprender mais sobre a cultura popular portuguesa.

Artesaté recupera bordados tradicionais de Viana

Cartão Artesaté

Cartão Artesaté

A Artesaté festejou o seu primeiro aniversário e foi criada por Teresa Morais. A criadora acabou por tornar esta paixão na sua vida profissional conseguido, desta forma, recuperar os bordados tradicionais e o coração de Viana para a atualidade.

Teresa Morais - criadora da Artesaté

Teresa Morais – criadora da Artesaté

Teresa Morais tem 34 anos é natural de Viana do Castelo e foi professora, do 1º e 2º Ciclos, de Educação Visual e Tecnológica. Atualmente, o artesanato tornou-se na sua maior paixão e na sua vida profissional.

O nome da sua criação, a Artesaté, “nasceu quase por brincadeira, numa conjugação de artesanato e Té ‘nome que carinhosamente familiares e amigos me chamam’ e foi ficando no ouvido”, explica Teresa Morais.

Por causa da sua atividade profissional, Teresa foi trabalhar para os Açores, local este onde começou a perceber o verdadeiro sentido da palavra “saudade”. Foi graças a esta emoção que a artista percebeu o gosto que tinha pelas tradições e do artesanato tradicional da sua terra natal.

A artesã explicou aos “Bordados com Amor” que a Artesaté nasceu no momento dos preparativos para a sua boda, pois devido à sua ligação às artes e à “aptidão que sempre teve para os trabalhos manuais”, Teresa produziu as suas lembranças de casamento, uma “pequenina pregadeira coração de Viana, inspirada nas pétalas dos bordados das toalhas regionais e da loiça de Viana”, explica em comunicado.

Depois de mostrar as lembranças às amigas, começaram a surgir encomendas para as pregadeiras em Coração para serem usadas na Romaria da Nossa Senhora D’Agonia, em Viana do Castelo, e mais tarde passaram de pregadeiras a porta-chaves, e de porta-chaves para presentes de aniversário e até de casamentos.

Devido ao fluxo de encomendas e há quantidade de corações inspirados nas toalhas, nas loiças de Viana e nos trajes, Teresa sentiu necessidade de divulgar os seus trabalhos acabando por criar o seu próprio blogue (http://artesate.blogspot.pt/).

Com o seu regresso, dos Açores, e devido ao desemprego que abala o nosso país, a Artesaté tornou-se no seu trabalho a tempo inteiro pois o número de encomendas tornou-se grande, acabando, Teresa, por encarar a sua criação de uma forma “mais séria e profissional”, como refere.

A bordadeira esclareceu que “foi a partir da criação do seu blogue que a Artesaté começou a ter uma visibilidade mais abrangente e foi através do feedback que ia recebendo, que me apercebi de que o meu simples artesanato estava a tomar umas dimensões maiores”.

A Artesaté já completou um ano no passado dia 20 de agosto e já esteve presente em diversos festivais de folclore de comunidades portuguesas, no estrangeiro, e esteve recentemente no espetáculo “Minho ao Vivo”, realizado no Coliseu dos Recreios, em Lisboa.

Este projeto “tem a sua imagem de marca bem definida, o Coração de Viana, e esse vai ser sempre a inspiração do meu trabalho…isso e a linda Viana que, mais do que uma musa inspiradora, é a alma da Artesaté”, reforça Teresa.

A marca não se dedica apenas à confeção de pregadeiras e porta-chaves, também produz almofadas e decoração para a casa. São aceites encomendas pessoais, personalizadas para aniversários, ocasiões especiais, feiras de artesanato, casamentos e festivais de folclore.

Os pedidos são feitos a partir da sua página de Facebook (https://www.facebook.com/Artesate) ou através do email artesate@gmail.com.

A fase criativa

A fase criativa

Corações de Viana almofadas

Corações de Viana almofadas

Coração Saia à Lavradeira

Coração Saia à Lavradeira

Lembranças de Casamento

Lembranças de Casamento

Porta-chaves Coração de Viana

Porta-chaves Coração de Viana

Conjunto Porta-chaves lenço dos Namorados

Conjunto Porta – chaves lenço dos Namorados

Lenços dos Namorados + Matemática = Etnomatemática

Lenços dos Namorados

Lenços dos Namorados – Bordados Com Amor

Um estudo feito por Paula Vilela revela que os lenços dos namorados podem ajudar os alunos, do ensino básico, a aprender matemática.

Paula Vilela, uma estudante de mestrado em Estudos da Criança – Ensino e Aprendizagem da Matemática, descobriu que os lenços dos namorados podem ajudar as crianças, do ensino básico, a compreenderem melhor alguns pontos da matemática tais como: as simetrias e os ângulos.

A autora da tese de mestrado – A Etnomatemática dos Lenços dos Namorados – descobriu que existem  Lenços com duas, quatro e oito simetrias, e  rotações entre os 90º, 180º e 270º.

Vários autores desta área de estudos consideram que, a Etnomática pretende que os estudantes consigam aprender matemática aplicando a coisas que estejam ligadas ao seu quotidiano.

Paula Vilela conseguiu descobrir que os Lenços dos Namorados, devido às suas características simétricas, poderão ser um atractivo para as crianças. Pois além de serem objectos reais, as suas cores, formas e desenhos também se tornam mais irresistíveis aos olhos dos mais jovens.

Segundo a autora da tese de mestrado, “a Etnomatemática apresenta-se como sendo um campo de investigação que dá importância a conhecimentos informais que os alunos apresentam e que os identifica na sua realidade” e acrescenta, “esses conhecimentos devem ser transportados para a educação escolar, permitindo ir ao encontro dos diferentes alunos. A escola não deve seguir um modelo estático, é útil valorizar as suas culturas e tradições”.

A tese de mestrado encontra-se disponível no reportório, online, da Biblioteca da Universidade do Minho.

Minho ao Vivo brilha em Lisboa

Lembrança do Minho ao Vivo

Lembrança do Minho ao Vivo – Bordado por Artesaté

“O Minho a Lisboa chegou, e os Lisboetas encantou. O Coliseu dos Recreios encheu, e ninguém desapareceu. O espetáculo aconteceu, e mais ninguém se esqueceu”, e assim foi, no passado dia 22 de setembro (domingo), que se realizou o “Minho ao Vivo”.

“Folclore não se resume a danças e cantares e, no que diz respeito às tradições, estas são negligenciadas pela esmagadora maioria dos ranchos folclóricos existentes. Urge inverter esta tendência e levar a palco recriações de desfolhadas, malhadas, vindimas, idas à feira, idas à romaria e de tantos outros cenários passíveis de recriação”, são estas as palavras de Irene Rua, ensaiadora do Rancho da Casa do Concelho de Ponte de Lima.

E para contradizer o desmazelo por parte de alguns grupos, no passado dia 22 de setembro (domingo), o Coliseu dos Recreios encheu o palco com diversas atuações e diversas representações etnográficas, para mostrar ao público as verdadeiras tradições minhotas do século XIX e não só, o público teve acesso a uma diversidade de produtos artesanais e gastronómicos (passando pelas roscas ao vinho).

O certame foi apresentado por Miguel Dias (ator) e contou com a presença de quatro ranchos folclóricos, um grupo de bombos, um grupo de gaita-de-foles e, ainda, uma banda de música popular-tradicional.

Paula Fernandes, organizadora do Minho ao Vivo, em comunicado, explicou que o objetivo deste projeto era “divulgar e promover as danças e cantares, a etnografia e folclore; preservar as práticas culturais inerentes à cultura amadora; promover um concerto com base no Folclore e na Música Tradicional e Popular Portuguesa” e por fim “fomentar a divulgação da cultura amadora enquanto elemento cultural e identitário de um país”.

Os quatros grupos presentes brindaram a grande sala de espetáculos com diversas representações.

O Rancho Folclórico da Casa do Concelho de Ponte de Lima apresentou as Feiras Novas de Ponte de Lima, onde conseguiu mostrar os acontecimentos mais importantes desta romaria (a feira, a procissão, os Zés Pereiras e Cabeçudos, as danças e o fogo de artifício).

O Grupo Etnográfico Danças e Cantares do Minho exibiu os Romeirinhos à Senhora do Alívio, deslocando-se a pé para pagar as promessas, cantando, e rezarem uma Avé Maria. Depois de pagas as promessas começou o arraial.

O Rancho Folclórico da Casa do Concelho dos Arcos de Valdevez, simulou uma lavrada, momento este em que o povo trabalhava para ser lançada a semente. O público pôde observar o vestuário utilizado, os cantares das mulheres na hora da labora, a forma como as crianças passavam o tempo e como acabava o dia de trabalho, onde os trabalhadores se juntavam para merendar e fazerem o baile.

O Rancho Folclórico da Casa do Minho em Lisboa contou como era envergado o traje da noiva minhota e as características e história deste traje.

Não menos importantes, os Sons do Minho apoiaram a organização desde o início e presentearam a grande sala com o som tradicional das concertinas, do cavaquinho, do bandolim, da flauta transversal, do baixo, da bateria, das percussões e do ukulélé. O concerto do grupo também mostrou as tão características cantigas ao desafio tal como acontecia (e acontecem) nas festas e romarias do Alto Minho.

No final do espetáculo foi impossível não reparar na satisfação de todos aqueles que tiveram presentes, tendo a organizadora, Paula Fernandes, manifestado a sua alegria pelo êxito deste evento, “o espetáculo ‘Minho ao Vivo’ foi um sucesso” e acrescentou “o evento que misturou o Folclore e a Música Tradicional Portuguesa, visava divulgar e promover Tradições e Cultura Minhotas”.

Segundo a opinião do público, em geral, foi uma tarde fantástica para a cultura da cidade de Lisboa, nomeadamente para os Minhotos e que anseiam para que haja um próximo em 2014.

Augusto Abel Dias, figura pública, comentou que “Paula Cristina foi uma sonhadora que planeou trazer o melhor do folclore e da cultura do Minho a Lisboa e conseguiu. Passou do sonho à realidade – Minho ao Vivo foi um espetáculo conseguido. Parabéns”.

Teresa Morais, representante do stand da Artesaté, reforçou que “foi um prazer e uma honra participar neste evento com a nossa banquinha e artesanato tradicional”.

Paulo Antunes Pereira fez questão de mostrar o orgulho que sentiu por estar presente neste grande espetáculo, dirigindo algumas palavras sentidas à organizadora, “no passado domingo senti orgulho por ser limiano e minhoto” e acrescentou “…para mim só há amizades por pessoas que tal como nós amam o folclore. Orgulho naquelas centenas, milhares talvez, de pessoas que encheram a sala mais emblemática de espetáculos de Lisboa. Orgulho em todas as pessoas…que contribuíram para a realização deste espetáculo, em especial a Paula Fernandes”.

Xana Márcia congratulou a organização e todos aqueles que no evento participaram reforçando que “foi uma tarde cheia de boas recordações para quem tem o Minho sempre no coração”.

“Também lá estive a levar uma ‘overdose’ de Minho até às 20h00, mas não fiquei farto porque foram todos os espetaculares, especialmente os SONS DO MINHO”, explicou Manuel Baião.

A ex-miss Portugal, Ana Maria Lucas, também foi uma surpresa, no decorrer do evento, subindo para o palco com o Rancho Folclórico da Casa do Concelho de Ponte de Lima, com o traje de noiva.

O bilhete do evento tinha um valor simbólico, de 3 euros, e 50% deste montante reverteu para a Associação Sol.

Resumo dos grupos presentes

Resumo dos grupos presentes

Minho ao Vivo brevemente no Coliseu de Lisboa

Minho ao Vivo

No próximo dia 22 de setembro (próximo domingo), às 15h30, vai realizar-se aquele que pretende ser um dos maiores festivais de folclore do Minho, em Lisboa, “O Minho ao Vivo”, no Coliseu dos Recreios.

Segundo Paula Fernandes, organizadora deste evento, este projecto tem como objectivo “divulgar e promover as danças e cantares, a etnografia e o folclore das gentes do Minho, preservar as práticas culturais inerentes à cultura amadora”.

A tarde de etnografia vai contar com a participação de quatro ranchos folclóricos (Rancho Folclórico da Casa do Concelho dos Arcos de Valdevez, Rancho Folclórico da Casa do Concelho de Ponte de Lima, Rancho Folclórico da Casa do Minho e por fim, Grupo Etnográfico Danças e Cantares do Minho) e com um grupo de música Tradicional-Popular (Sons do Minho).

A organizadora acrescenta que pretende promover a cultura minhota “numa das maiores salas de espectáculo do país”, no Coliseu dos Recreios de Lisboa. Este evento vai ter um concerto “com base no Folclore e na Música Tradicional Portuguesa”.

Para ajudar na organização, Paula Fernandes contou com a colaboração de Fátima Gonçalves, Tiago Rodrigues, Carla Pires e ainda, com alguns apoios: Sons do Minho, Ranchos Folclóricos participantes e de várias Juntas de Freguesia de Lisboa.

Segundo a página de Facebook do evento, o Coliseu dos Recreios conta com casa cheia.

Portugal é o Melhor Destino para se Viajar

 

Boa tarde,

Sei que já não publico nada há algum tempo e, para quebrar o silêncio, optei por partilhar convosco um artigo escrito por uma professora do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP), Profª Drª Raquel Ribeiro, dado que se encaixa muito bem na temática da minha página.

Afinal, o nosso país também tem coisas boas 😉

Deixo-vos o texto e a hiperligação para o seu blog:

“Portugal foi eleito o melhor destino do mundo para se viajar. Entre um total de 24 países, a Condé Nast Traveller, a mais prestigiada revista de viagens do mundo, escolheu Portugal pela primeira vez como o melhor país para se viajar em 2013. Paisagem, gastronomia e praias foram os aspetos que mais pesaram na escolha do júri, que dá ainda especial destaque à simpatia do povo português. “É um ingrediente fundamental”, escreve a revista. “Os portugueses seduzem-nos com o seu encanto e simpatia.” Para trás ficam 23 países dos quatro cantos do mundo, entre eles a Argentina, Brasil, Estados Unidos, Índia, França, México, Tailândia, Marrocos, Turquia e Espanha. Em cinco edições, esta é a primeira vez que Portugal vence a categoria de melhor país nos prémios anuais da Condé Nast Traveller (CNT). No resumo sobre a distinção, a revista fala do “especial encanto que é visível nas tradições do país, com cidades que combinam a modernidade com o peso visível da história, paisagens e praias que nos reconciliam com a Natureza”.   Os prémios da CNT distinguiram ainda o melhor das viagens noutras 14 categorias.”

Autora: Raquel Ribeiro

“Marketing, Comunicação e Consumo”